O que é o Herpes Labial?
 

O Herpes Labial é uma infeção provocada pelo vírus Herpes simplex.

Existem 2 tipos de vírus Herpes simplex: tipo 1 e tipo 2.
 
O Herpes simplex tipo 1 é o mais associado a Herpes Labial (e outras regiões da face).

O Herpes simplex tipo 2 está mais relacionado com Herpes Genital.

O Herpes Labial infecta cerca de 80% da população a nível mundial, no entanto, nem toda a gente apresenta manifestações.

O Herpes Labial é a reactivação do Herpes simplex, após um primeiro contacto com o vírus na infância.

O Herpes Labial tem um perfil recidivante durante a vida, podendo não se manifestar durante meses ou anos ou pelo contrário apresentar fases de manifestações frequentes que diminuem a qualidade de vida.

Como se manifesta a 1ª vez?

O 1º contacto com o vírus ocorre geralmente na infância, entre os 6 meses e os 5 anos de idade, manifestando-se através da chamada Gengivostomatite Herpética Primária.

A Gengivostomatite Herpética caracteriza-se por um período de febre, dores de cabeça, naúseas e vómitos durante 2 dias, após o qual surgem as vesículas orais, mau hálito, dor e ulcerações na boca, que duram até 10 dias.


Quais os sintomas de Herpes Labial?

O Herpes Labial é a reactivação do vírus Herpes simplex que se encontra latente num gânglio nervoso.

Quando há um estímulo, como por exemplo febre, exposição solar intensa e prolongada, aumento de stress, diminuição da imunidade, o vírus Herpes simplex migra do gânglio nervoso até ao lábio (ou outras regiões periorais) e provoca:

  • - Desconforto de um lado dos lábios (não se manifesta bilateralmente)
  • - Formigueiro
  • - Prurido (comichão)
  • - Vesículas (pequenas bolhas)

Diagnóstico de Herpes Labial

O diagnóstico do Herpes Labial é clínico com exame das lesões e sintomas.

Nos casos mais atípicos ou se existirem dúvidas poderá ser realizada uma colheita de material para análise laboratorial embora este procedimento raramente seja realizado.

Também poderá ser realizado um exame sanguíneo para saber se está infectado pelo vírus Herpes simplex tipo 1 (maior apetência do vírus pela região oral) ou tipo 2 (que tem mais apetência pelas células da região genital).

Posso beijar o meu companheiro? E os meus filhos?

A resposta é sim, pode, no entanto deverá evitar fazê-lo ou adoptar medidas preventivas durante os episódios agudos porque a transmissão é muito mais provável nessa fase.


Pode haver transmissão sexual do Herpes Labial para Herpes Genital?

Sim. Pode haver transmissão sexual através da saliva durante relações sexuais orais desprotegidas, sobretudo do vírus Herpes simplex tipo 2 que apresenta mais apetência para infectar esta região, embora também possa ser responsável pelo Herpes Labial.

Como prevenir a transmissão do Herpes Labial?

A transmissão é muito mais provável durante as crises herpéticas do que quando está assintomático. As principais formas de transmissão do Herpes Labial são: o beijo e a partilha de talheres/ copos.

Para prevenir a transmissão do Herpes Labial deverá adoptar medidas de higiene como lavagem frequente das mãos, não partilhar copos/ talheres com familiares durante as crises herpéticas, ter uma toalha própria para secar a região oral durante os episódios de infeção aguda, evitar relações sexuais orais desprotegidas durante as crises.

É importante referir que embora o contágio seja mais comum durante os episódios agudos, a transmissão pode ser realizada através da saliva mesmo estando assintomático.

O Herpes Labial tem cura?

Até à data não há estudos que demonstrem a cura do Herpes Labial. O Herpes Labial não tem cura definitiva, mas pode ficar latente sem manifestações orais durante meses e até anos.

Há tratamento farmacológico para o Herpes Labial?

Sim. O tratamento com pomada antiviral demonstram pouco eficácia. O tratamento com medicamentos antivirais sistémicos com ação anti-herpética está reservado para casos específicos. Venha conhecer se tem indicação!

Se tem dúvidas, entre em contacto com a nossa equipa!